Infelizmente, a segurança pública em nosso país possui muitas falhas e não temos garantia de que, cedo ou tarde, não seremos assaltados de nosso bens. Com o carro, a situação ainda consegue ser mais complicada, envolvendo uma série de fatores.

Digamos que você tenha tomado todos os cuidados necessários para o seu veículo não ser roubado e, mesmo assim, ele foi. O que fazer então? Quais procedimentos realizar?

A seguir, algumas dicas básicas.

Antes, você precisa entender a diferença entre furto e roubo: o primeiro é caracterizado pela apropriação de objeto alheio sem consentimento e sem uso de violência. No segundo caso, há a apropriação de objeto alheio sem consentimento, mas com uso de violência física ou psicológica.

O carro é furtado e você não presencia a ação dos criminosos

Suponhamos que você tenha deixado o seu veículo num determinado local e, ao retornar, ele não está mais: se você não estacionou em um local proibido e não teve seu veículo rebocado, trata-se de furto. Como proceder? Primeiro, ligue para a central de sinistros da sua seguradora, departamento responsável pelo registro de danos ou prejuízos aos seus bens e, depois, para o 190 telefone da Emergência da Polícia Militar. Assim, você comunica a sua seguradora do ocorrido e se dirige à delegacia da região para fazer um B.O. (Boletim de Ocorrência) que, nesse caso, também pode ser feito online.

É preciso ser muito rápido nesses procedimentos, especialmente se você tiver seguro. As chances de reaver o carro furtado são bem maiores nas primeiras horas após o assalto. E é bom ressaltar que cada detalhe é fundamental: número da placa, modelo, cor, se havia testemunhas no momento da ocorrência, o horário do assalto e mais algum detalhe externo de identificação do seu carro.

Com o B.O. em mãos, basta ir à seguradora e pedir a indenização.

O carro é roubado e você está presente na hora

É evidente que o primeiro procedimento é ter calma (na medida do possível) e não reagir. Após o susto e o trauma, no entanto, o ideal é lembrar de detalhes que possam ajudar nas investigações, como aparência física dos assaltantes, as roupas que usavam, o modelo e a placa do veículo que eles usavam (caso haja), etc.

Espere até estar em um local que seja realmente seguro, então, ligue para o 190  para informar a respeito do roubo e para a seguradora, registrando a ocorrência. Se houver alguma testemunha, tente colher o maior número de informações que puder e, lógico, não se esqueça do B.O.

Contatando a seguradora

Agora chegou o momento de informar a sua seguradora sobre o ocorrido e tentar, ao menos, reaver o seu veículo. Se, mesmo assim, ela não conseguir localizar o seu carro, aí cabe a indenização, que deverá ser solicitada mediante entrega de documentação, que inclui carteira de motorista, licenciamento do veículo e documento do seguro.

Uma boa dica é deixar cópias dessa documentação em sua casa (pois os originais da carteira de motorista e do licenciamento do veículo precisam sempre estar com você, em caso de abordagens policiais). Não se esqueça de que, ao contrário destes já mencionados, o documento de compra e venda jamais deverá andar com o condutor. Se possível, tente ter fotos de seu veículo no celular, no computador, no pendrive, enfim.

Para contatar a seguradora de forma eficaz, é aconselhável falar diretamente com sua central de sinistros, apresentada no fechamento da apólice. O que importa, no final das contas, é entregar toda a documentação necessária. Lembrando, também que, a cada contato com o seguro (por motivos de segurança), você terá que contar sempre a mesma história, com as mesmas informações.

E, por fim, é evidente que você precisa preservar a sua vida e a dos seus entes queridos num eventual assalto.  Portanto, calma e serenidade nesse momento são essenciais.