Segurança acima de tudo. Esse tem que ser o lema de quem tem um carro. E, um dos itens que melhor possibilita isso é o airbag. Porém, por mais que ele seja um acessório tão conhecido, muitos têm dívidas, em especial, ao que fazer quando ele é acionado. Qual o procedimento? Será que o airbag pode ser “reutilizado”?

A seguir, vamos esclarecer essa e outras questões.

Ocasião em que o airbag é acionado

Existem acidentes onde, por exemplo, o carro capota, mas, o airbag não é acionado. Isso se deve ao fato de que esse sistema só funciona quando ocorre a desaceleração do veículo. E, ainda existem outros casos em que o airbag só funciona se o motorista ou passageiro estiver usando o cinto de segurança.

Uma dica fundamental é não dirigir muito perto do volante, já que o sistema de airbag é acionado por meio de uma explosão química, chegando a 300 km/h, o que pode ocasionar uma lesão grave em caso de colisão, e estando muito próximo ao volante.

Airbag acionado: o que fazer depois?

Curto, direto e simples: comprar outro! A partir do momento em que o airbag é deflagrado, tanto o módulo de controle, quanto a bolsa inflável devem ser substituídos. E, claro, também terá que ser substituída a peça em que o item está embutido. Detalhe: se for um airbag de motorista, o volante também precisará ser trocado.

Outro item onde a substituição é totalmente recomendável após o seu uso é a bolsa inflável direcionada ao passageiro dianteiro. Essa bolsa fica encaixada no painel do veículo, e também não pode ser reaproveitada por motivos óbvios de segurança.

A substituição deve ser feita em uma concessionária autorizada. Até porque esse item é vendido diretamente às montadoras pelo fornecedor, com cada unidade tendo um numero de série para ser rastreado.

Só lembrando ainda que a validade do airbag varia muito de fabricante para fabricante, estando especificada no manual do proprietário. Ao ultrapassar o período da validade descrito nesse manual, é preciso checar o sistema em uma concessionária que seja autorizada da marca do item.

Airbag acionado dá perda total no seguro do carro?

Durante algum tempo, existiu um boato de que a partir do momento em que o airbag abre isso significa que o veículo não está mais coberto pelo seguro. Isso, é bom deixar claro, é falso.

Até mesmo porque a seguradora terá que garantir o que está escrito em contrato, independente do uso ou não do airbag. E, que, nesse sentido, é bem claro: o critério para perda total é que os custos de reparo do automóvel ultrapassem 75% do calor do veículo.

No entanto, essa confusão faz até certo sentido, pois, os próprios custos do airbag são bem altos, e quando eles precisam ser acionados, é porque o acidente foi bastante bruto. Porém, se os custos de reparação não atingirem 75% do valor do carro, mesmo que o airbag tenha sido acionado, será considerada perda parcial do veículo.

Evitando que o airbag vire um “inimigo”

Evidentemente que o sistema de airbag pode salvar vidas tranquilamente, mas, também é certo que ele pode causar sérias lesões no motorista ou nos passageiros, caso estes não estejam bem posicionados no veículo.

Uma coisa que tem que ser evitada, por exemplo, é o passageiro andar com o pé em cima do painel, já que, num acidente, o airbag pode fazer a sua perna ir para trás, atingindo seu rosto. Isso sem contar que objeto sobre o painel, como suportes para celulares, também tendem a ser arremessados com violência.

Em suma, o caminho entre o airbag e o ocupante deve estar sempre livre. E, claro, sempre usando o cinto de segurança.