refrigeração-automotiva

Quando se trata do termo Refrigeração Automotiva, é muito comum que as pessoas façam algum tipo de confusão envolvendo o sistema de climatização e o sistema de arrefecimento que, apesar de serem tipos de refrigeração de veículos, são totalmente diferentes.

Neste post, vamos ajudar você a entender como estes dois sistemas se diferenciam e tudo sobre cada um deles. Se preferir, você pode ir direto para qualquer um dos tópicos do texto, clicando abaixo:

  • Sistema de arrefecimento
  • Quais os principais defeitos que podem ocorrer no sistema de arrefecimento e como evitá-los?
  • Radiador e ventoinha – peças essenciais para o sistema de arrefecimento de um veículo
  • Sistema de climatização
  • Compressor do ar condicionado automotivo – saiba a sua importância
  • Sistema de arrefecimento

    A partir do momento em que você dá a partida no seu carro, diversos sistemas e processos são acionados para que ele possa funcionar sem quaisquer problemas. Um desses sistemas é o de arrefecimento. Mas o que é este sistema e quais defeitos ele pode apresentar?

    O sistema de arrefecimento é responsável por manter a temperatura do seu carro na faixa ideal para que ele funcione sem que seus componentes se danifiquem. É essencial que a faixa ideal de temperatura fique em torno de 90º.

    Qualquer sistema, para que funcione de forma correta, é fundamental que seus componentes estejam em harmonia, e no sistema de arrefecimento não é diferente. As peças do sistema de arrefecimento são:

    • radiador;
    • ventoinha;
    • reservatório de expansão;
    • bomba d’água;
    • sensor de temperatura;
    • válvula termostática;
    • mangueiras;
    • fluido refrigerante (composto por aditivo e água).

    A bomba d’água é responsável por fazer com que o fluido refrigerante circule por todo o sistema, através das mangueiras, e a válvula termostática que permitirá ou não a passagem do fluido através do sistema, de acordo com a temperatura em que o motor se encontrar. 

    O fluido refrigerante fica armazenado no reservatório de expansão e no local, é possível monitorar o nível do fluido para que, caso seja necessário, ocorra o reabastecimento dele.

    Já o radiador é o responsável por realizar a troca de calor entre o motor e o ar externo, com a ajuda do fluido mencionado anteriormente. É essencial que o aditivo esteja presente no fluido refrigerante, uma vez que, sem ele, a água ferveria ou congelaria, fazendo com que a manutenção da temperatura do carro ficasse incorreta.

    Também temos a ventoinha que irá ventilar o radiador. É ela que fará com que a troca de calor entre o fluido e o ar seja feita da forma mais rápida. E por último, mas certamente não menos importante, existe o sensor de temperatura, que é o responsável por levar a informação da temperatura do motor para a “central de comando” do carro.

    Quais os principais defeitos que podem ocorrer no sistema de arrefecimento e como evitá-los?

    Este sistema precisa de toda a sua atenção e a de especialistas também. Se cuidados essenciais com o sistema de arrefecimento não forem tomados, graves problemas podem ser gerados!

    Entre os principais defeitos que o sistema de arrefecimento pode apresentar, listamos três  principais aqui para você:

    1 – O fluido refrigerante está vazando

    O vazamento do fluido refrigerante é um dos principais problemas que podem surgir no sistema de arrefecimento e pode ser causado por três motivos: mangueiras que estão com furos ou ressecadas, permitindo que o fluido refrigerante escorra; buracos no radiador, principalmente após algum acidente envolvendo colisões; vazamento do fluido, caso as abraçadeiras estejam mal posicionadas. 

    Caso os responsáveis sejam a mangueira ou uma braçadeira, o problema só pode ser resolvido através das trocas das peças. Já o radiador, dependendo do estrago causado, até pode ser consertado sem que a troca de todo o componente seja feita, mas sempre recomendamos a troca total.

    É essencial que você procure por fornecedores de peças originais e de qualidade, para evitar que outros problemas surjam no meio do caminho!

    2 – O nível de óleo no motor está abaixo do que deveria

    No motor, durante todo o seu momento de atividade, existe atrito entre as peças de diversos tamanhos e formas. Se o nível de óleo no motor estiver fora do recomendado, pode gerar sérios danos por conta da falta de lubrificação no momento do atrito entre as peças.

    O nível de óleo abaixo do ideal, pode causar a quebra de peças e o superaquecimento do motor. Então, é essencial realizar a verificação do nível do óleo do seu veículo periodicamente.

    3 – A bomba d’água não está funcionando como deveria

    A bomba d’água pode ter seu funcionamento afetado especialmente por conta da ferrugem, seja em todo o sistema ou na própria bomba. É um problema bem comum, que pode ser evitado facilmente.

    E é essa uma das funções que o aditivo tem na composição do fluido refrigerante: impedir que ocorra a ferrugem, já que ele possui propriedades anticorrosivas. Por isso, é essencial garantir que o líquido do sistema de arrefecimento esteja com as devidas proporções de aditivo e água (normalmente 50% de cada um deles).

    Radiador e ventoinha – peças essenciais para o sistema de arrefecimento de um veículo

    Você sabe como funciona o radiador e como resolver possíveis problemas que possam surgir? E quais os principais problemas da ventoinha do radiador? Você consegue identificar? Confira a seguir!

    O que é o radiador?

    De forma mais simplificada, podemos definir o radiador como um tipo de sistema de troca de calor. Ou seja, ele faz o processo de troca entre o ar e outra substância (geralmente líquidos), que estão presentes em um sistema fechado.

    Assim, a passagem de ar resfria o fluido refrigerante, que já baixou a temperatura de outros equipamentos internos do seu automóvel. A maioria dos modelos atuais de radiadores possuem ventoinhas que ajudam no processo de arrefecimento do fluido. 

    O núcleo do radiador possui diversos canais em formato de colmeia ou tubos, permitindo a passagem do ar através deles. E é importante ressaltar que, quanto maior o radiador, mais rápida será a troca de calor, aumentando, assim, seu poder de arrefecimento.

    O radiador mais conhecido e mais utilizado em veículos, é o de arrefecimento, que normalmente, é encontrado em automóveis que utilizam “água” para realizar o resfriamento (entre aspas porque se trata de uma mistura de água com aditivo), e evitar que ela evapore ou congele durante o processo de resfriamento. 

    Como funciona a ventoinha?

    A ventoinha tem o papel de acelerar a passagem de ar pelo radiador, fazendo com que a troca de calor entre o fluido refrigerante e o ar seja mais rápida. A maioria dos automóveis modernos possui este sistema de refrigeração.

    É uma peça fundamental para que o radiador e o motor do carro funcionem como devem. Ela conta com o auxílio de um motor elétrico, que faz com que seja usada apenas para evitar o superaquecimento do motor, sendo desligada quando não é necessário o seu uso. Inclusive, um dos seus problemas é quando a ventoinha nao liga ou não desliga!

    Outro problema que pode afetar o funcionamento desta peça são os fios, que podem estar em mal estado, fazendo com que a ventoinha não tenha forças para resfriar o líquido refrigerante e, consequentemente, aqueça o motor.

    Além dos fios, o estado do fusível também deve ser verificado assim que notar que a ventoinha não está funcionando como deveria, sendo necessário realizar a troca do fusível, caso seja necessário.

    O sensor de temperatura, o nível do fluido refrigerante e o estado da polia viscosa são outros pontos que merecem atenção quando a ventoinha está apresentando algum problema.

    Fique também atento ao tipo de ventoinha escolhido. Você pode conferir como escolher a melhor para o seu carro aqui.

    Quando realizar a troca do radiador do seu carro?

    Se os devidos cuidados forem tomados para que o radiador tenha um bom funcionamento, este componente não precisará ser trocado constantemente. Ele é bastante durável e dificilmente te trará problemas.

    Entretanto, é preciso ficar atento ao nível do fluido de arrefecimento e à sua coloração. Caso você note que ele está baixando mais rápido que o normal, pode ser que esteja ocorrendo algum vazamento. Neste caso, recomendamos a troca do componente por um novo.

    Se o fluido está com uma coloração escura e com sinais de ferrugem, pode não ser uma coisa boa também. Se você notar que a temperatura do motor está passando do recomendado, graças ao auxílio das luzes do painel de controle que podem acender para te avisar que algo não está bom (e você pode conferir aqui o que fazer quando acender a luz da temperatura do seu carro), procure imediatamente um centro automotivo.

    Quais os riscos de manter um radiador com defeito em seu carro?

    Manter um radiador danificado no seu automóvel pode gerar graves consequências. Caso as mangueiras estejam vazando ou ressecadas, impedindo que o fluido refrigerante siga o seu caminho, o motor pode acabar fundindo, e a troca do motor por um novo certamente não é algo barato.

    Você pode conferir mais problemas que podem ser ocasionados por defeitos no radiador aqui! 

    Para evitá-los, recomendamos fortemente que as manutenções preventivas e revisões periódicas sejam realizadas em locais de confiança e com profissionais especializados.

    Sistema de climatização

    O ar condicionado automotivo é um acessório essencial para os automóveis modernos, principalmente em cidades que tenham dias de calor muito intensos, como é o caso do Rio de Janeiro e de muitas outras cidades brasileiras, em especial, as cidades do Norte e Nordeste.

    Além disso, ele proporciona uma viagem mais confortável e, principalmente, um pouco mais segura, uma vez que o motorista precisa manter os vidros do automóvel totalmente fechados para que a climatização interna seja eficiente, o que acaba contribuindo para a proteção e segurança dos passageiros.

    Para que ocorra a climatização dentro do automóvel, o sistema conta com 4 itens importantes:

    • evaporador, que é responsável pela troca térmica do ar quente com o fluido refrigerante (é no evaporador que o ar fica gelado e o fluido passa para o estado gasoso);
    • compressor, responsável por fornecer energia ao fluido refrigerante;
    • condensador, local em que o fluido refrigerante retorna ao estado líquido;
    • válvula de expansão, que é responsável por regular o fluxo do fluido refrigerante. 

    Existem diversos problemas que podem afetar o funcionamento do ar condicionado do seu carro. É importante que você fique atento a eles, e caso algo seja detectado, leve o veículo a um especialista o mais rápido possível, para que o diagnóstico seja feito por profissionais e problemas maiores sejam evitados. 

    Confira três desses problemas a seguir:

    1 – Sujeira no condensador

    Sabe quando você liga o ar condicionado do seu veículo e ele parece não estar mantendo o veículo climatizado como deveria ou costumava fazer? É porque pode haver sujeira no condensador!

    O condensador é o principal mecanismo responsável pelo resfriamento dos vapores do fluido refrigerante que saem do compressor e, quando está muito sujo (seja com poeira, folhas ou outros tipos de detritos), o ar não consegue circular completamente, impossibilitando que o veículo fique totalmente climatizado. 

    O ideal é realizar, periodicamente, a limpeza do condensador, para evitar problemas futuros.

    2 – Nível muito baixo de refrigeração

    Quando o ar condicionado automotivo não é usado por muito tempo, o fluido refrigerante tende a diminuir, afetando o bom funcionamento da climatização do veículo.

    O fluído refrigerante não tem prazo de validade definido, mas é importante realizar, pelo menos, anualmente a verificação dos seus níveis, para ver se não estão baixos demais, uma vez que o fluido refrigerante diminui de nível em média 15% ao ano.

    Também é essencial que o ar condicionado do seu carro seja ligado pelo menos uma vez por semana, mesmo em dias frios.

    3 – Surgimento de maus cheiros

    Já sentiu algum mal cheiro, semelhante a algo podre, vindo das saídas de ventilação do seu automóvel? Isto se deve ao desenvolvimento de bactérias, fungos e outros micro-organismos dentro do sistema de climatização do seu veículo.

    Eles crescem, se desenvolvem e você nem percebe! E se não forem removidos, podem fazer mal e gerar até doenças para o motorista e os passageiros do automóvel. É o que chamamos de “Síndrome do Carro Doente” e diz respeito a qualidade do ar presente no automóvel, que se torna irrespirável.

    É imprescindível que seja feita a limpeza do ar condicionado automotivo e sua verificação periódica, principalmente quando estamos lidando com a saúde das pessoas!

    Compressor do ar condicionado automotivo – saiba a sua importância

    O compressor do ar condicionado automotivo faz exatamente o que seu nome diz: comprime o gás refrigerante e o envia para o condensador do automóvel. Este processo todo é alimentado por correias de transmissão presentes no motor.

    Quando o gás refrigerante líquido está em alta pressão, ele passa para o estado gasoso e percorre um sistema de tubos em que o seu calor é eliminado de forma rápida. Após este processo, o gás resfriado é novamente convertido para a forma líquida, uma vez que retorna ao compressor do ar condicionado.

    Mas, como identificar que é hora de trocar o compressor do ar condicionado do seu carro?

    O tempo de vida útil de um compressor é difícil de ser determinado, assim como qualquer peça automotiva, mas você pode ficar atento à alguns fatores que podem ajudar a determinar durante quanto tempo o compressor conseguirá trabalhar.

    O primeiro fator é a idade do seu automóvel. Carros mais novos possuem sistemas de refrigeração mais modernos e duráveis. Se, durante os primeiros anos, as manutenções preventivas forem feitas de forma correta, raramente defeitos irão surgir. 

    Mas, assim como outras partes do automóvel, à medida que a quilometragem e a idade do veículo vão aumentando, é comum que o desgaste das peças ocorra e o sistema comece apresentar mau funcionamento com mais frequência.

    Se o compressor do ar condicionado do seu carro começar a apresentar algum tipo de defeito, é melhor ficar atento, uma vez que ele pode comprometer todo o sistema de  climatização.

    Além de ser recomendada a revisão e limpeza do compressor regularmente, independentemente de o sistema estar funcionando bem ou não, é essencial que sejam usadas peças originais e de qualidade, caso seja necessária a troca do compressor.

    Entendeu mais sobre as diferentes formas de Refrigeração Automotiva?

    E, claro: caso apareça algum problema, tanto no sistema de arrefecimento quanto no sistema de climatização do seu veículo, procure um centro automotivo de confiança, com mecânicos capacitados para identificar qualquer problema que seu carro possa apresentar. 

    Ah, e outro ponto super importante: a não ser que você possua os conhecimentos necessários (e aqui não estamos falando de dar um jeitinho, é conhecimento técnico mesmo) para realizar reparos e substituições, não recomendamos que mexa em seu veículo por conta própria. 

    Você pode danificar mais partes e a gente sabe que peças automotivas são bem delicadas, e qualquer deslize, pode danificá-las para sempre!

    Você não vai dar bobeira e deixar o seu carro com alguém que não entende do assunto, não é?